A Meteórica Trajetória do Seattle Metropolitans

Há exatamente um século, um time americano vencia a Stanley Cup pela primeira vez, o Seattle Metropolitans batia o Montreal Canadiens por 9-1 e entrava para a História. O nome da equipe está imortalizado no santo graal do hóquei no gelo. Tão rápida quanto a ascensão foi a queda, mas mesmo assim, em sua curta trajetória o Seattle Metropolitans deixou seus legados e ajudou a deixar outros legados para o esporte.

Princípio

Com tudo, a história começa em 1911 quando a família Patrick investiu todas suas riquezas para fazer uma liga profissional de hóquei no oeste, assim foi fundada a Pacific Coast Hockey Association, PCHA, uma liga muito revolucionaria para a época. Na temporada de 1913-14 o Victoria Senators foi campeão da PCHA e representou a liga pela primeira vez na disputa pela Stanley Cup, na temporada seguinte o Vancouver Millionaries se tornou o primeiro campeão da Stanley Cup que disputava a PCHA, após isso a PCHA e a NHA, a principal liga da época, decidiram se fazer aquele formato de disputa da Stanley Cup ser o modelo. Naquele mesmo ano o primeiro time americano da liga surgiu, o Portland Rosebuds, que em 1916 se tornou o primeiro time americano a jogar a Stanley Cup.

Porém foi em 1915 que os irmãos Frank e Lester Patrick decidiram fundar um time em Seattle, eles queriam um time já forte e competitivo para a cidade e aproveitando um momento de distração de donos da PCHA e NHA deram um golpe de mestre que mudou a história do hóquei sobre o gelo. As duas ligas brigavam pelos direitos dos jogadores, por isso Frank viajou até Toronto e, entre as reuniões dos representantes das duas ligas, se reuniu secretamente com diversos jogadores do Toronto Hockey Club, alguns dos melhores jogadores da época, e assinou contratos com eles. Alguns dias depois o anúncio foi feito, Frank Patrick havia roubado os principais jogadores de um dos grandes times para garantir o sucesso imediato do Seattle Metropolitans.

A família Patrick investiu em uma casa para o time, segundo consta foram 120 mil dólares, uma quantidade inimaginável de dinheiro para a época, investidos na construção da Seattle Ice Arena. O ginásio tinha capacidade para 3 mil e 500 pessoas em sua inauguração, chegou a comportar 4 mil pessoas, todos seus assentos eram da melhor qualidade, comparável aos dos melhores teatros e óperas da época. No dia 7 de dezembro de 1915 a Seattle Ice Arena foi inaugurada com uma vitória do Seattle Metropolitans sobre o Victoria Aristocrates por 3-2. Durante toda as nove temporadas de atividade, o Seattle Metropolitans disputou 103 partidas em sua casa, conseguiu 73 vitórias e 30 derrotas. O local foi vendido e usado como estacionamento após o Metropolitans fechar as portas, até que em 1963 foi demolido e desde então o terreno abriga o quartel general da IBM.

seattle_ice_arena
A Seattle Ice Arena vista pelo exterior

O vermelho, verde e branco foram as cores escolhidas para o time, a camiseta usada era em listras horizontais que alternavam as cores, esse padrão de cores e listras fez com que ela ganhasse o apelido de barber pole por se parecer com os tradicionais postes listrados que se colocavam em frente de barbearias nos Estados Unidos. Além disso, havia o S vermelhor com as letras de Seattle espalhadas pelo desenho da letra, o que criava um símbolo muito icônico.

Seattle adotou e amou o Metropolitans desde o princípio, seus jogos eram descritos como sempre cheios e barulhentos. O público era descrito como tão colorido como o time, viam-se homens e mulheres trajando roupas de todas as cores, especialmente vermelho, verde e branco, muitas roupas luxuosas, como se estivessem indo a ópera, porém o comportamento relatado era mais apropriado a um evento esportivo do que a uma ópera. Ser abraçado pela cidade fez o time ser um sucesso durante sua meteórica existência.

seattle_ice_arena_dentro
Seattle Ice Arena em dia de jogo do Metropolitans

Em sua temporada de estreia, o Metropolitans fez uma campanha de nove vitórias e nove derrotas, 68 gols marcados e 67 sofridos, terminando em terceiro lugar na PCHA com uma campanha igual ao Vancouver Millionaries, porém perdendo nos gols marcados. Venceu 7 dos 9 jogos disputados em casa, perdendo apenas para Vancouver e Portland, fora de casa conseguiu duas vitórias, uma em Victoria e outra em Vancouver. Mas isso não era o que a família Patrick queria, eles queriam um time mais forte ainda e na temporada seguinte conseguiram isso.

A Grande Glória de 1917

metropolitans_1917
O Metropolitans da temporada de 1916-17

A temporada de 1916-17 da PCHA começou de modo ruim para a liga, o governo canadense expropriou a casa do Victoria Aristocrates para usar como centro de treinamento militar, já que a primeira guerra mundial estava em curso e o Canadá era parte do Império Britânico. Com isso o time se mudou para Spokane, no estado de Washington, e virou o Spokane Canaries. A experiência não deu certo, não havia público viável nos jogos e isso levou o cancelamento do último jogo em Spokane, entre o Canaries e Vancouver Millionaries.

patterson_cup
A Patterson Cup, o troféu da PCHA

O Seattle Metropolitans fez uma grande campanha na PCHA, com 16 vitórias e 8 derrotas, marcando 125 gols e sofrendo 80. No vigésimo terceiro jogo, o Metropolitans já havia garantido o título da PCHA, ainda sim ganhou a última partida em Portland por 4-3. Com isso venceu a Patterson Cup pela primeira vez e ganhou o direito de disputar a Stanley Cup.

Bernie Morris foi premiado como artilheiro da liga, com 37 gols marcados, Harry “Hap” Holmes foi o melhor goleiro, teve 2 shutouts e sofreu uma média de 3,3 gols por jogo, incrivelmente baixa para a época.

Pela frente viria o Montreal Canadiens, que iria defender a Stanley Cup após vencer a NHA. No ano anterior, o time de Montreal vencera a série final contra o Portland Rosebuds em 5 jogos. O time de Montreal havia jogado a série de 1916 em casa, então segundo o acordo entre as ligas, a Stanley Cup de 1917 seria decidida na casa do campeão da PCHA, que no caso era em Seattle.

No dia 17 de março o primeiro jogo foi disputado, tanto esse quanto o terceiro jogo da série foram disputados sob as regras da PCHA, mas mesmo com a teórica vantagem para o Metropolitans, o Canadiens fez um jogo espetacular. Com quatro gols de Didier Pitre, o time de Montreal venceu por 8-4, conquistando a primeira vitória sob as regras da PCHA.

Mesmo fora de casa, o Canadiens era favorito para vencer o segundo jogo por conta das regras da NHA, coisas como não ter passe para frente, o goleiro não poder se abaixar e poder usar mais jogadores no banco. Com tudo, o Metropolitans foi liderado ofensivamente por Frank Foyston, que fez um hat-trick, nos minutos finais Tommy Smith marcou o único gol do Canadiens, quebrando o shutout de Hap Holmes. Esse jogo teve um momento lamentável, Newsy Lalonde, do Canadiens, derrubou um dos árbitros e golpeou sua virilha em um momento de fúria, ele foi expulso do jogo e recebeu uma multa de 25 dólares (aproximadamente 508 dólares em valores atuais levando em conta a inflação do período), uma quantidade grande de dinheiro para a época.

mets_habs_1917
Metropolitans e Canadiens em foto promocional para a Stanley Cup de 1917

No dia 23 de março os times voltaram ao gelo, Morris abriu o placar, mas Georges Vezina, que hoje nomeia o prêmio principal dado aos goleiros da NHL, segurou aquele 1-0 até o final do segundo período. Porém no terceiro período Foyston e Morris deram um show e o Seattle Metropolitans acabou vencendo por 4-1.

O Metropolitans precisava de uma vitória para conquistar a Stanley Cup, o quarto jogo foi disputado no dia 26 de março sob as regras da NHA. Morris abriu o placar logo no começo do jogo, o Canadiens tentou criar jogadas, mas a defesa do time de Seattle era muito poderosa. No segundo período o Metropolitans marcou mais três gols, no terceiro foram mais dois, até que Laviolette marcasse o único gol do Montreal canadiens naquele jogo. Ainda sim, o Seattle marcou mais dois gols e garantiu a glória eterna pela primeira e única vez em sua existência.

Novamente Bernie Morris e Hap Holmes foram os destaques da equipe, Morris marcou 14 dos 23 gols do Seattle na série, Holmes sofreu em média 2,9 gols por jogo, uma média muito pequena para a época.

Dez nomes foram eternizados no santo graal do hóquei no gelo, Bernie Morris e Jack Walker os centres, Frank Foyston, Jim Riley e Cully Wilson os wingers, Bobby Howe (capitão), Roy Rickey e Eddie Carpenter os defensores, Harry “Hap” Holmes o goleiro e Pete Muldoon o presidente/técnico.

mets_worldchampions
A arte exibida pelos jornais após a conquista do Seattle Metropolitans

Tudo não foi melhor porque a Stanley Cup não foi levada para Seattle, os jogadores comemoraram com troféus doados pelos fãs. Após três meses e uma taxa absurda e abusiva de 500 dólares cobrada pela NHA para entregar a posse, finalmente o santo graal do hóquei sobre o gelo chegou a Seattle e a festa ficou completa.

1919 e 1920

Na temporada de 1917-18 da PCHA apenas Seattle, Vancouver e Portland jogaram, a franquia que havia sido expulsa de Victoria e não teve sucesso em Spokane fechou as portas, os jogadores foram distribuídos para os outros três times. Inicialmente houve um acordo para fazer dois turnos e o campeão de cada turno disputar uma final, mas depois decidiram fazer as 18 rodadas de uma vez e os dois primeiros jogariam uma final.

O Metropolitans terminou a temporada regular de 1917-18 em segundo lugar com 9 vitórias e 9 derrotas. A final foi jogada contra o Vancouver Millionaries, no sistema de dois jogos com a soma dos placares, a primeira parte foi jogada em Seattle e os times empataram em 2-2, o segundo jogo foi em Vancouver e o Millionaries venceu por 1-0, vencendo no agregado por 3-2. O time de Vancouver foi a Toronto e acabou sendo derrotado na Stanley Cup.

Em 1919 novamente o Metropolitans terminou a temporada regular em segundo, dessa vez com 11 vitórias e 9 derrotas. Novamente enfrentou o Vancouver Millionaries, com tudo o resultado final foi diferente. Em casa, o Metropolitans goleou por 6-1, já em Vancouver acabou perdendo por 4-1, porém venceu o confronto por 7-5. A conquista da PCHA novamente deu direito a disputar a Stanley Cup, novamente contra o Montreal Canadiens, dessa vez campeão da NHL, em Seattle, com tudo os problemas começaram a aparecer.

A Stanley Cup de 1919 é lembrada por ser a série que não terminou e também por conta de uma prisão que pode ter influenciado muito na história daquela série. Bernie Morris acabou sendo julgado e preso por tecnicamente não ter respondido a convocação militar, que na época era obrigatória nos Estados Unidos, ele foi mandado para a famosa prisão de Alcatraz, onde ficou até 1920.

Na série foram jogados 5 jogos, dos quais 4 contaram, o primeiro jogo foi vencido pelo Metropolitans por 7-0, Homes finalmente conseguira um shutout sobre o Canadiens. O segundo teve vitória do Canadiens por 4-2, o terceiro teve nova vitória do Metropolitans, por 7-2. O quarto jogo foi jogado duas vezes, primeiro no dia 26 de março, com o 0 a 0 após 20 minutos de prorrogação o jogo teve que ser encerrado, para o replay, o Canadiens conseguiu que a regra de prorrogação até o final da NHL fosse adotada, era o golpe final contra a série.

Naquela época o mundo vivia o surto da gripe espanhola, oficialmente chamada de gripe de 1918, que deixaria algo entre 50 e 100 milhões de mortos no mundo. Muitos dos jogadores dos times estavam doentes, mas ninguém queria deixar de jogar. O jogo começou com o Metropolitans avassalador, marcando 3-0 no período inicial, com tudo o Canadiens empatou nos dois períodos seguintes e a partida foi para a prorrogação. Com jogadores caindo literalmente de exaustão e por conta de febre, Jack McDonald entrou no gelo numa substituição que aproveitou dois jogadores do Metropolitans caídos no gelo, McDonald avançou em velocidade com o disco e bateu Hap Holmes, o Canadiens venceu por 4-3 e garantiu o jogo 5, que nunca aconteceu.

A partida foi marcada para o dia 1º de abril, porém o cansaço e a gripe espanhola fizeram com que o jogo nunca acontecesse. Na copa está marcado o ano, o nome dos dois times e Series not Completed (Série não Completada). O Montral Canadiens tinha três jogadores internados e alguns outros sem condição de jogo, George Kennedy, técnico do Canadiens, quis conceder o jogo para o Metroplitans, mas Muldoon se recusou a vencer daquela maneira. Sem jogadores, o Canadiens pediu a PCHA para pegar jogadores emprestados do Vancouver Millionaries, mas Frank Patrick, presidente da liga, recusou o pedido e os times decidiram não jogar o jogo que restava. Poucos dias depois, Joe Hall, jogador do Canadiens, faleceu por conta de uma pneumonia que havia evoluído a partir da gripe, Kennedy teve que ser internado e mesmo sobrevivendo a gripe, seus pulmões foram comprometidos e ele faleceu em 1921 por consequências da gripe de 1918. Um final triste para aquela temporada.

sc_metropolitans
Na Stanley Cup estão gravados o título de 1917 e a série não terminada em 1919, são as duas gravações do nome do Seattle Metropolitans na Copa. (Via: http://niketalk.com/t/328986/supersonics-back-in-seattle-movement-thread/270)

Na temporada seguinte, o Metroplitans fez uma campanha de 12 vitórias e 10 derrotas, terminou em primeiro na temporada regular da PCHA e voltou a enfrentar o Vancouver Millionaries na final da liga. O time de Vancouver venceu o primeiro jogo por 3-0, porém em Seattle o Metropolitans fez 6-0 e venceu a PCHA pela terceira vez. Dessa vez teve o Ottawa Senatos (o original que fechou as portas em 1934 e não a franquia atual), pela primeira vez o time viajou para disputar a copa.

O Senators venceu os dois primeiros jogos da série, mas o Metropolitans se recuperou e venceu o terceiro jogo. Com problemas no gelo da The Arena, em Ottawa, a série foi transferida para a Arena Gardens em Toronto, o Metropolitans venceu o quarto jogo por 5-2, porém no quinto jogo o Ottawa dominou a partida e venceu a Stanley Cup.

Aquele era o final dos dias gloriosos do Seattle Metropolitans, que viveria um rápido declínio nos anos seguintes.

metropolitans_1919
O Seattle Metropolitans de 1919-20, foto tirada durante a temporada de 1919 com Pete Muldoon (de casaco), técnico, e Lester Patrick (de terno), um dos donos do time.

O Melancólico Final

Nas duas temporadas seguintes, o Metropolitans voltou as finais da PCHA, mas foi humilhado em 1921 e perdeu novamente em 1922, nas duas ocasiões para o Vancouver Millionaries. Na temporada de 1922-23 terminou a temporada regular com 15 vitórias e 15 derrotas e não jogou a final da liga, em 1923-24 fez uma campanha de 14 vitórias e 16 derrotas, terminou em primeiro na temporada regular e jogou a final contra o Vancouver novamente, que agora era Maroons. Em Vancouver os times empataram em 2-2, mas em Seattle o Maroons acabou vencendo por 2-1, aquele foi o último jogo do Metropolitans.

Fora do gelo muitos problemas atingiram o Metropolitans, o principal foi o decaimento do público, o time teve prejuízos financeiros. Outro fator que afetou negativamente foi a concorrência com a Western Canadian Hockey League (WCHL) e a NHL pelos jogadores, contratar passou a custar mais aos times. Por fim, em 1924 os donos da Seattle Ice Arena não renovaram contrato com o Metropolitans, a franquia estava em débito com os donos do ginásio que jogava e, por não conseguir honrar seus compromissos financeiros, ficou sem uma casa. Sem dinheiro no caixa, com muitas dívidas e sem um local para jogar, o time fechou as portas. Jogadores foram para outros times, a PCHA se extinguiu, Vancouver e Victoria foram jogar na concorrente, WCHL. O Metropolitans foi ironicamente o primeiro, e único até hoje, time americano a vencer a Stanley Cup e fechar as portas.

Do time de 1916-17, o primeiro time americano a vencer a Stanley Cup, Frank Foyston, Hap Holmes, John Walker e Gordon Roberts estão no hall da fama, o nome de Holmes batiza o troféu da AHL (American Hockey League) dado ao goleiro que sofreu a menor média de gols por jogo disputado. Além deles, Lester Patrick, que foi um dos donos do time, também foi imortalizado no hall da fama.

Apenas em 1928 um time americano voltou a vencer a Stanley Cup, o New York Rangers em sua segunda temporada e dirigido por Lester Patrick. Patrick naquela série contra o Montreal Maroons teve que assumir o gol do Rangers após o goleiro Lorne Chabot ter um afundamento na face por conta de um puck, com 44 anos de idade ele fechou o gol e até hoje é o jogador mais velho a jogar um jogo de Stanley Cup, o recorde de jogador mais velho a vencer a Stanley Cup foi batido por Chris Chelios em 2008, porém Chelios não jogou naquela final.

O Seattle Metropolitans e a PCHA deixaram um legado para o hóquei muito forte, tanto que algumas das regras da liga que seriam adotadas pela NHL durante as décadas de 1920 e 30, assim como a tentativa pioneira da PCHA de fazer uma liga feminina, hoje temos a NWHL (National Women Hockey League) e CWHL (Canadian Women Hockey League) dão pequenos, mas extremamente importantes, passos para o esporte feminino. O Metropolitans foi o segundo time dos Estados Unidos nas ligas principais de hóquei e seu sucesso ajudou a abrir as portas para que na década seguinte outras cidades recebessem equipes. Quanto aos jogadores do Metropolitans, alguns ajudaram times como Red Wings, Bruins e Blackhawks a se estabelecer e crescer, dando início a belas histórias.

Hóquei em Seattle e Possível Retorno ao Nível Principal

O título do Seattle Metropolitans foi o primeiro da cidade nas ligas esportivas majoritárias de qualquer esporte que seja, após aquele título a cidade viu um título na NBA (SuperSonics), dois títulos da WNBA (Storm), um Super Bowl (Seahawks), um título da MLS (Sounders) e um da NWSL – National Women’s Soccer League – (Seattle Reign FC). Com tudo a paixão pelo hóquei é tão viva quanto a por outros esportes, mesmo sem um time nas ligas principais do esporte.

Desde o Metropolitans, a cidade de Seattle nunca mais teve um time no principal nível do hóquei na America do Norte. Com tudo a cidade tem dois times na WHL (Western Hockey League) em sua zona metropolitana, Seattle Thunderbirds, além do Everett Silvertips. O Seattle Thunderbirds fez a noite do Metropolitans no dia 7 de dezembro de 2015, o time vestiu um uniforme igual ao do Metropolitans para homenagear os 100 anos de hóquei na cidade. Seattle tem também o Seattle Totems, time da Western States Hockey League.

metropolitans_night
O Seattle Thunderbirds homenageou os 100 anos de hóquei em Seattle vestindo réplicas da icônica camiseta do Metropolitnas (Via: http://www.seattlethunderbirds.com/t-birds-battle-past-americans)

Desde 2012 se especula em um retorno da cidade para as principais ligas de hóquei no gelo. Até hoje a cidade não fala abertamente, mesmo que a NHL tenha visitado o prefeito e declarado que seria bom ter um time em Seattle. Entre especulações e realidade, não sabemos muito, apenas que a cidade adora o esporte e atualmente é quase certeza de que um time faria muito sucesso na cidade.

Caso Seattle recebesse uma franquia na NHL, fosse por expansão ou mudança, o novo time deveria receber o nome de Metropolitans? Existem fortes argumentos a favor e contra, mas caso realmente aconteça expansão ou mudança para Seattle, é assunto para outra história…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s