Já passou da hora!

1993. O jovem que escreve esse post nem era nascido e uma parte dos que lerão esse texto também não habitavam esse mundão.

Naquele ano, Bill Clinton tomou posse como o 42° presidente da história americana (20/01), a independência da Eritreia (24/05), o prêmio Nobel da paz para Nelson Mandela (15/10) e não mais importante, o relançamento do fusca no Brasil após 7 anos fora de produção.

Meanwhile no Canadá, enquanto Celine Dion explodia como uma das melhores artistas do mundo naquela época, o Montreal Canadiens que mesclava a experiência de Guy Carbonneau e Patrick Roy com a juventude de Vincent Damphousse, Eric Desjardins e John LeClair surpreendia o mundo do hóquei e vencia o LA Kings de Wayne Gretzky em 5 jogos para levar a sua 24° Stanley Cup. O Canadiens-1993 não só se redimia de três eliminações seguidas para o Boston Bruins (1° e única vez – até agora – na história que isso aconteceu), mas também marcava o “fim” de uma era vencedora da franquia já que entre 94 e 2015 ficou 7 vezes fora dos playoffs e passou do 2° round apenas duas vezes (2010 e 2014).

Habs 93

O Canadiens-1993 também foi o último canadense a ganhar a Stanley Cup, a temporada que se avizinha concede aos sete times com base do Canadá mais uma chance de acabar este jejum.

              FILA ANO A ANO

1994: Calgary Flames, Montreal Canadiens, Vancouver Canucks e Toronto Maple Leafs

O campeão de divisão Flames foi eliminado pelo Canucks em 7 jogos mesmo liderando a série por 3-1, o atual campeão Canadiens também caiu no 1° round perdendo a série em 7 jogos para o Boston Bruins. Na final da conferência leste, o Maple Leafs liderado pelo trio Doug Gilmour (111 pontos em 84GP), Dave Andreychuk (53 gols em 83GP) e Wendel Clark (46 gols em 64GP, melhor temporada de sua carreira) na sua 2° final de conferência seguida acabou ficando no mágico Canucks de Pavel Bure. Nas finais, Vancouver acabou por perder para o NY Rangers de Mark Messier e Brian Leetch em 7 jogos.

Trevor Linden (#16) foi fantástico no jogo 7 mas nada pode fazer para evitar a primeira de muitas decepções para os times canadenses.

1995: Quebec Nordiques, Calgary Flames, Vancouver Canucks e Toronto Maple Leafs

Apenas o Canucks passou do round inicial. O Nordiques, top-seed do leste, acabou sendo eliminado pelo seed #8 e atual campeão NY Rangers. O Flames foi novamente surpreendido e acabou caindo para o San Jose Sharks já o Maple Leafs perdeu a série para o Blackhawks em 7 jogos, o mesmo Blackhawks que varreria o Canucks no round seguinte. Vancouver havia eliminado o St. Louis Blues no round anterior.

1996: Montreal Canadiens, Toronto Maple Leafs, Calgary Flames, Vancouver Canucks e Winnipeg Jets

Apesar da mão cheia de classificados, nenhum deles passou do 1° round. No leste, o Canadiens chegou a abrir 2-0 na série, mas acabou por perder os próximos 4 jogos para o NY Rangers. No oeste, o Red Wings de 62 vitórias na regular season (estatisticamente, a melhor temporada da história) eliminou o Winnipeg Jets (que seria realocado para Arizona depois desta temporada) em 6 jogos, o Canucks foi eliminado em 6 jogos pelo Colorado Avalanche (que fora realocado de Quebec no final da temporada 94-95 e ironicamente – ou não – ganhou a Stanley Cup de 1996), o Flames foi varrido pelo Blackhawks e o Maple Leafs foi eliminado em 6 jogos pelo St. Louis Blues de Wayne Gretzky.

1997: Ottawa Senators, Edmonton Oilers e Montreal Canadiens

Senators e Habs ficaram ainda no 1° round perdendo para o Buffalo Sabres e para o top seed New Jersey Devils respectivamente. No oeste, o Oilers que voltava aos playoffs depois de 5 anos surpreendeu a todos ao eliminar o favorito e seed #2 Dallas Stars em 7 jogos porém acabou ficando no Colorado Avalanche, president’s trophy winner e atual detentor da Stanley Cup.

1998: Ottawa Senators, Edmonton Oilers e Montreal Canadiens

Roteiro igual ao do ano anterior, as mesmas equipes e quase virtualmente no mesmo lugar. O seed #8 Senators surpreendeu e eliminou o top-seed do leste New Jersey Devils em 5 jogos enquanto o seed #7 Canadiens eliminou o Penguins em 6 jogos mas a alegria de ambos acabou no round seguinte quando foram eliminados pelo Washington Capitals em 5 jogos e pelo Buffalo Sabres em 4 jogos respectivamente. No oeste, o Oilers novamente eliminou um favorito em 7 jogos, a vitima da vez foi o Colorado Avalanche mas no round seguinte a equipe acabou eliminada pelo Dallas Stars, president’s trophy winner daquele ano, em 5 jogos.

1999: Edmonton Oilers, Ottawa Senators e Toronto Maple Leafs

O Oilers topou mais uma vez com o Stars (que novamente tinha levado o president’s trophy) e foi varrido pelo futuro campeão. No leste, o Ottawa Senators do jovem Alexei Yashin que acabou em 2° na votação para MVP (44 gols e 94 pontos em 82GP) foi varrido pelo seed #7 Buffalo Sabres. Enquanto isso o Maple Leafs do trio de vôvôs Mats Sundin, Steve Thomas e Sergei Berezin foi o 1° canadense desde 1994 a chegar nas finais de conferência. As folhas eliminaram o Flyers em 6 jogos e o Penguins do MVP Jaromir Jagr em 6 jogos antes de cair para o Buffalo Sabres de Dominik Hasek em 5 pelejas.

2000: Edmonton Oilers, Ottawa Senators e Toronto Maple Leafs

Edmonton novamente topou com o Stars e assim como em 98 e 99 perdeu a série dessa vez em 5 jogos. Leafs e Senators se enfrentaram no round inicial com vitória de Toronto em 6 jogos, no round seguinte o Leafs acabou perdendo para o futuro campeão New Jersey Devils em 6 partidas.

2001: Edmonton Oilers, Ottawa Senators, Toronto Maple Leafs e Vancouver Canucks

Edmonton enfrentou o Dallas Stars pelo 5° ano seguinte (!!!) e perdeu a série em 6 jogos, a volta do Canucks aos playoffs também não durou muito já que foi varrido pelo president’s trophy winner e futuro campeão Colorado Avalanche. No leste, nem o bom quarteto ofensivo do Senators (Alexei Yashin, Marian Hossa, Daniel Alfredsson e Martin Havlat) conseguiu salvar a temporada de 48 vitórias e 109 pontos destruida pela varrida sofrida contra o Maple Leafs. Toronto enfrentou novamente o Devils no 2° round e apesar de liderar a série por 3-2 acabou perdendo o jogo 6 em casa e em seguida a partida decisiva em New Jersey.

2002: Toronto Maple Leafs, Ottawa Senators e Montreal Canadiens

Vancouver chegou a abrir 2-0 na série com ambas as vitórias fora de casa contra o Detroit Red Wings mas viu o futuro campeão ganhar as próximas 4 partidas e o confronto. No leste, o seed #8 Montreal Canadiens do MVP Jose Theodore eliminou o top seed e rival Boston Bruins em 6 jogos, o Senators eliminou o seed #2 Flyers em 5 partidas e o Maple Leafs precisou do jogo 7 no Air Canada Centre para eliminar o NY Islanders. No round seguinte, o Canadiens perdeu a série para o Carolina Hurricanes em 6 jogos enquanto Leafs e Senators se cruzaram novamente e Toronto bateu o Sens em 7 jogos mesmo após estar perdendo a série por 2-1 e 3-2. Na final da conferência, o Maple Leafs começou ganhando, mas acabou perdendo três jogos no overtime e a vaga na Stanley Cup Final para o Hurricanes em 6 jogos.

2003: Ottawa Senators, Toronto Maple Leafs, Vancouver Canucks e Edmonton Oilers

Edmonton fora eliminado pelo top seed Dallas Stars (sim, de novo) em 6 jogos já o Canucks eliminou o St. Louis Blues em 7 jogos após estar perdendo a série por 3-1 porém o feitiço virou contra o feiticeiro no round seguinte quando o mesmo Canucks abriu 3-1 contra o Minnesota Wild antes de ser goleado por 7-2, 5-1 e 4-2 nos jogos seguintes e perder a série. No leste, o Maple Leafs protagonizou uma série fantástica contra o Flyers com todos os jogos do confronto realizados em Toronto (jogos 3, 4 e 6) indo para no mínimo um duplo overtime, no entanto a equipe acabou sendo derrotada no jogo 7 por 6-1. Já o president trophy winner Ottawa Senators “não teve dificuldades” para eliminar o NY Islanders em 5 jogos e o Flyers em 6 partidas. Na 1° final de conferência em sua história a equipe chegou a estar perdendo o confronto por 3-1, mas graças as boas atuações de Patrick Lalime o time da capital canadense conseguiu forçar o jogo 7 em casa, no entanto a equipe não conseguiu superar a forte defesa do Devils que também contou com atuações chave de Jamie Langenbrunner e Jeff Friesen para vencer o Sens por 3-2 no confronto derradeiro.

Friesen goes big and the Sens go home.

2004: Toronto Maple Leafs, Ottawa Senators, Montreal Canadiens, Vancouver Canucks e Calgary Flames

Pela 1° vez em 8 anos foram cinco representantes canadenses nos playoffs. Toronto encarou o Senators e eliminou seu rival em 7 jogos antes de perder a série no round seguinte para o Flyers em 6 jogos. O seed #7 Canadiens novamente eliminou o favorito Boston Bruins em 7 jogos com o jogo derradeiro do embate fora de casa, no round seguinte a equipe acabou sendo varrida pelo futuro campeão Tampa Bay Lightning. No oeste, Canucks e Flames se enfrentaram no 1° round pela primeira vez desde 1994 com a vitória de Calgary em 7 jogos. A partir daí, o time liderado por Jarome Iginla e Miikka Kiprusoff nunca olhou para trás; eliminando o president’s trophy winner Detroit Red Wings em 6 jogos e o San Jose Sharks na final da conferência também em 6 partidas, se tornando o primeiro canadense desde 1994 a chegar nas finais. Calgary ganhou a Stanley Cup no gol legal não validado de Martin Gelinas no jogo 6 teve a oportunidade de ganhar a Stanley Cup na partida 6 da série em casa no entanto acabou perdendo a peleja no overtime e após isso também saiu derrotado do jogo 7 em Tampa Bay por 2-1.

Gelinas, Saprykin, Khabibulin e a eterna duvida.

2006: Ottawa Senators, Montreal Canadiens, Calgary Flames, Edmonton Oilers

No 1° playoff depois do lockout o Senators conseguiu outra vez ser top-seed do leste (52 W’s na regular season) e eliminou o atual campeão Lightning antes de cair para a surpresa Buffalo Sabres liderada por Daniel Briere e Ryan Miller. Montreal chegou a abrir 2-0 na série, porém sofreu a virada e foi eliminado pelo futuro campeão Carolina Hurricanes em 6 jogos. No oeste, enquanto o Calgary Flames foi surpreendido e eliminado em 7 jogos pelo Anaheim Ducks, Edmonton em seu retorno aos playoffs em 3 anos (e última aparição até hoje) eliminou o president’s trophy winner Red Wings em 6 jogos, o Sharks em 6 e o Ducks em 5 partidas para voltar a SC Finals depois de 16 anos. Nas finais, apesar da luta a equipe acabou perdendo para o Carolina Hurricanes em 7 jogos.

Glória para o canadense Brind’Amour, tristeza para o canadense Oilers.

2007: Ottawa Senators, Vancouver Canucks, Calgary Flames

Calgary ficou pelo meio do caminho já no 1° round quando topou com o top-seed Red Wings e perdeu o embate em 6 jogos. Vancouver precisou até de uma partida com 4 overtimes para eliminar o Dallas Stars em 7 jogos, evitando que o filme de 2003 se repetisse quando liderava a série por 3-1 e acabou por perder o confronto incluindo o jogo 7 em casa; no round posterior a equipe fora eliminada pelo Anaheim Ducks em 5 jogos. Já o Senators não teve muitos problemas para chegar as finais, apoiado pelo trio Daniel Alfredsson-Jason Spezza-Dany Heatley o time da capital canadense eliminou o Penguins dos jovens Crosby e Malkin, Devils e o president’s trophy winner Buffalo Sabres (vingando o ano anterior) todos em 5 jogos antes de perder a série final para o Anaheim Ducks em ironicos – ou não – 5 jogos.

2008: Montreal Camadiens, Ottawa Senators, Calgary Flames

Calgary mais uma vez caiu no 1° round após enfrentar o San Jose Sharks e perder a série em 7 jogos. Ottawa sem diversos jogadores chave por motivo de lesão foi presa fácil para o Penguins e acabou por ser varrido. Comandado por Guy Carbonneau (último jogador a levantar a Stanley Cup como capitão de um time canadense) o top-seed Canadiens sofreu (bem) mais que o esperado para eliminar o seed #8 Bruins em 7 jogos, no round seguinte contra o Flyers, apesar de ter faturado o jogo 1 de virada a equipe acabou sofrendo com as atuações ruins de seus goleiros (Carey Price e Jaroslav Halak) e comendo o pão que o diabo amassou nas mãos e sticks de R.J. Umberger que marcou em todos os jogos do embate e o total de 8 (!!) gols nas 5 partidas da série.

Habs Killer, parte 1

2009: Montreal Canadiens, Vancouver Canucks e Calgary Flames

Montreal foi presa fácil para o top-seed Bruins e acabou por ser varrido marcando a primeira derrota do Habs para os ursos numa série de playoffs desde 93-94 e a 1° varrida sofrida para o mesmo adversário desde 91-92. Flames e Canucks foram vitimas do Chicago Blackhawks nos dois primeiros rounds, ambos os confrontos terminaram em 6 jogos. Vancouver havia varrido o St. Louis Blues no round inicial.

2010: Ottawa Senators, Montreal Canadiens e Vancouver Canucks

Apesar de ter vencido o jogo 1, a equipe da capital acabou por perder a série para o atual campeão Penguins em 6 jogos. Vancouver eliminou o LA Kings em 6 jogos antes de cair para o futuro campeão Chicago Blackhawks também em 6 jogos. Já o Canadiens topou com o president’s trophy winner Washington Capitals liderado pelo 2x MVP Alex Ovechkin e apesar de estar perdendo a série por 3-1, Le Bleu-Blanc-Rouge contou com belas atuações de Jaroslav Halak para eliminar o Caps em 7 jogos. Halak voltou a ser espetacular no round seguinte quando Montreal eliminou Sidney Crosby e cia em 7 partidas; 7 foram os gols de Mike Cammalleri nesta série e o jogo sete vencido por 5-2 pelo Canadiens foi o último da história da Mellon Arena em Pittsburgh. O Canadiens acabou por ser eliminado na final da conferência leste pelo Philadelphia Flyers em 5 jogos, Montreal sofreu 3 shutouts (dois destes fora de casa) e 17 gols (13 deles nos jogos realizados na casa do Flyers).

Habs Killer, parte 2

2011: Montreal Canadiens e Vancouver Canucks

Outra série contra o Bruins e outra eliminação, esta veio no overtime do jogo 7 em Boston com o gol marcado por Nathan Horton. Já o president’s trophy winner Canucks foi quem precisou do overtime no jogo 7 para exorcizar seus demonios e despachar o atual campeão Blackhawks; o gol de Alex Burrows evitou que a equipe perdesse a série na qual tinha aberto 3-0 de vantagem. Após isso venceu o Nashville Predators em 6 jogos e o San Jose Sharks na final da conferência em 5 partidas para chegar a sua primeira SC Final desde 1994. Nela, apesar de ter liderado o confronto por 2-0 e 3-2 a equipe acabou por perder o embate para o Boston Bruins em 7 jogos; o Canucks assim como o Calgary Flames de 2004 (jogo 6) teve a chance de ganhar a Stanley Cup em casa (nesse caso no jogo 7) mas acabou não conseguindo.

Bruins 2011

2012: Ottawa Senators e Vancouver Canucks

Na série que aconteceu de tudo um pouco o Sens chegou a liderar por 3-2 com a chance de fechar a série em casa mas acabou perdendo o embate contra o top-seed NY Rangers em 7 jogos enquanto o president’s trophy winner Canucks foi literalmente surpreendido e atropelado pelo seed #8 e futuro campeão LA Kings em 5 jogos.

2013: Montreal Canadiens, Ottawa Senators, Toronto Maple Leafs e Vancouver Canucks

O maior número de canadenses desde 2006 mas sem muitos resultados. O Canucks levou seu 5° titulo de divisão seguido mas foi varrido pelo San Jose Sharks. No leste, Toronto voltou aos playoffs pela 1° vez desde 2004 e estendeu o favorito Bruins ao limite do jogo 7 depois de estar perdendo o confronto por 3-1; nele as folhas abriram 4-1 mas perderam o jogo por 5-4 no overtime e a série por 4-3. Habs e Sens se enfrentaram no 1° round com vitória do time da capital em 5 jogos, no round posterior o Senators perdeu para o Penguins também em 5 confrontos.

2014: Montreal Canadiens

Na “dança do eu sozinho” o Habs começou sua caminhada com uma surpreendente varrida sobre o favorito Tampa Bay Lightning, no round posterior o time bateu o president’s trophy winner e rival Boston Bruins em 7 jogos com a vitória decisiva no TD Garden eliminando os ursos pela 1° vez desde 2008. A caminhada do Habs terminou na final da conferência leste quando perdeu para o NY Rangers em 6 partidas.

2015: Montreal Canadiens, Ottawa Senators, Vancouver Canucks, Calgary Flames, Winnipeg Jets

Em seu primeiro playoff desde 1996, o Winnipeg Jets acabou sendo varrido pelo Anaheim Ducks. Canucks e Flames (1° playoff desde 2009) se enfrentaram no round inicial com vitória de Calgary em 6 jogos, essa foi a 1° vez desde 2004 que a equipe passou do round inicial; no confronto seguinte a equipe acabou sendo eliminada pelo Anaheim Ducks em 5 jogos. No leste, Canadiens e Senators se encontraram novamente no round inicial mas dessa vez com vitória do Habs em 6 jogos, no confronto posterior o time caiu para o Tampa Bay Lightning em 6 partidas.

SUCESSO INDIVIDUAL

Apesar dos times canadenses encararem esta fila, os jogadores e a seleção canadense fez/faz o caminho totalmente inverso. Neste intervalo entre 1994 e 2015, a seleção nacional ganhou 3 ouros olímpicos (2002, 2010 e 2014) além de diversos campeonatos mundiais de base. Individualmente, das 21 Stanley Cup’s apresentadas entre 1994 e 2015, 16 delas foram entregues a capitães de nacionalidade canadense (!). A lista tem Mark Messier (94), Scott Stevens (95, 00 e 03), Joe Sakic (96 e 01), Steve Yzerman (97, 98 e 02), Dave Andreychuk (04), Rod Brind’Amour (06), Scott Niedermayer (07), Sidney Crosby (09) e Jonathan Toews (10, 13 e 15).

Estendendo nossa pesquisa neste sucesso individual, resolvi considerar seis honrarias concedidas pela NHL, cinco delas são definidas por votação considerando desempenho e importância para seu time (Ted Lindsay, Vezina Trophy, Norris Trophy, Hart Trophy e Conn Smythe Trophy) além da honraria ganha por mérito próprio durante a temporada (Art Ross).

Art Ross: Wayne Gretzky (94), Mario Lemieux (96 e 97), Jarome Iginla (02), Martin St. Louis (04 e 13), Joe Thornton (06), Sidney Crosby (07 e 14) e Jamie Benn (15)

O que é o prêmio: Maior pontuador da liga durante a temporada regular.

Conn Smythe Trophy: Claude Lemieux (95), Joe Sakic (96), Mike Vernon (97), Steve Yzerman (98), Joe Nieuwendyk (99), Scott Stevens (00), Patrick Roy (01), J.S. Giguere (03), Brad Richards (04), Cam Ward (06), Scott Niedermayer (07), Jonathan Toews (10), Justin Williams (14) e Duncan Keith (15)

O que é o prêmio: Melhor jogador dos playoffs, decidido por votação de jornalistas considerando seu desempenho mais sua importância no sucesso do time.

Ted Lindsay: Eric Lindros (95), Mario Lemieux (96), Joe Sakic (01), Jarome Iginla (02), Martin St. Louis (04), Sidney Crosby (07, 13, 14) e Carey Price (15).

O que é o prêmio: Melhor jogador da temporada em votação realizada pela assosciação de jogadores (NHLPA).

Vezina Trophy: Jose Theodore (02), Martin Brodeur (03, 04, 07 e 08) e Carey Price (15)

O que é o prêmio: Melhor goleiro da temporada regular escolhido pelos 30 GM’s da liga.

O jovem Brodeur (a direita) com seu pai Denis Brodeur e seu primeiro Vezina trophy.

Norris Trophy: Ray Bourque (94), Paul Coffey (95), Rob Blake (98), Al McInnis (99), Chris Pronger (00), Scott Niedermayer (04), Duncan Keith (10 e 14) e PK Subban (13).

O que é o prêmio: Melhor defensor da liga escolhido por votação entre jornalistas.

Hart Trophy: Eric Lindros (95), Mario Lemieux (96), Chris Pronger (00), Joe Sakic (01), Jose Theodore (02), Martin St. Louis (04), Joe Thornton (06), Sidney Crosby (07 e 14), Corey Perry (11) e Carey Price (15)

O que é o prêmio: Melhor jogador da temporada regular escolhido por jornalistas.

Sidney Crosby e seu segundo Hart trophy, quatro prêmios individuais em duas temporadas.

É inegável o sucesso canadense na esfera individual e se comparada ao vizinho Estados Unidos, o buraco entre os dois só cresce. Se documentarmos o desempenho americano em todos os quesitos anteriores temos o seguinte quadro:

Capitães americanos a liderar seus times para SC: Derian Hatcher (99) e Dustin Brown (12 e 14)

Norris Trophy: Chris Chelios (96) e Brian Leetch (97)

Vezina Trophy: Jim Carey (96), Tim Thomas (09 e 11) e Ryan Miller (10)

Conn Smythe Trophy: Brian Leetch (94), Tim Thomas (11), Jonathan Quick (12) e Patrick Kane (13)

De longe, o americano com mais sucesso individual nos últimos 20 anos. Thomas foi eleito por duas vezes melhor goleiro da liga, melhor jogador dos playoffs, SC winner com o Boston Bruins e backup goalie de Ryan Miller em Vancouver. Tudo isso entre 2009 e 2011.

Sentiu falta de alguma coisa? Enquanto gringos como Jaromir Jagr (5x Art, 3x Ted, 1x Hart), Alex Ovechkin (1x Art, 3x Ted, 3x Hart), Nicklas Lidstrom (7x Norris) e Dominik Hasek (2x Ted, 6x Vezina, 2x Hart) aproveitaram o sucesso individual e encheram suas prateleiras de prêmios durante este tempo, os filhos do tio Sam vivem uma seca gigante de honrarias que inclui 35 anos sem um americano com o Art Ross (último foi Marcel Dionne em 1980), 24 anos sem um americano com o Ted Lindsay (último foi Brett Hull em 1991) e inacreditáveis 39 anos sem um americano como melhor jogador da temporada, Bobby Clarke foi o último “made in USA” a levar o prêmio em 1976 (!!).

O QUE 2015-2016 PODE RESERVAR PARA…

Toronto Maple Leafs: As folhas estão no inicio de um rebuild que promete ser longo e doloroso para a franquia então o que vier de bom em termo de resultados e bons jogadores descobertos e desenvolvidos será lucro.
Vancouver Canucks: Os Sedins estão envelhecendo e a franquia não parece ter (ainda) substitutos a altura além de viver a eterna controvérsia no gol que nessa temporada pode (deve) ser protagonizada por Ryan Miller e Jacob Markstrom. A equipe ainda tem lenha pra queimar porém parece ter regredido mais que progredido nos últimos anos.
Ottawa Senators: Apesar da arrancada espetacular nos meses finais da temporada passada, o Sens ainda é uma casa de incógnitas. Apesar de ter o melhor defensor da liga hoje em Erik Karlsson, a duvida fica se jogadores chave nessa arrancada como Mark Stone, Andrew Hammond e Mike Hoffman conseguiram manter o mesmo nível de desempenho. Falando em Hammond, “The Hamburglar” vai começar o tranning camp em disputa direta contra Craig Anderson pelo posto de goleiro titular.
Winnipeg Jets: A franquia tem uma boa base de prospects incluindo os bons garotos Nikolaj Ehlers e Brendan Lemieux além de ter uma equipe principal equilibrada mas vai precisar que jogadores experientes como Andrew Ladd e principalmente Dustin Byfuglien elevem seu jogo. Outra duvida mora nos ombros de Ondrej Pavelec, será ele capaz de manter a forma que teve nos dois últimos meses da temporada?
Edmonton Oilers: A franquia tem um novo GM em Peter Chiarelli, um novo técnico em Todd McLellan e um novo salvador na figura do camisa #97 Connor McDavid que se corresponder todas as expectativas postas sobre seus ombros com certeza levará a franquia para um novo patamar. Mas algumas perguntas continuam as mesmas, conseguirão os jovens Darnell Nurse e Griffin Reinhart minimizar os problemas da defesa do Oilers? Será que Nail Yakupov finalmente vai corresponder as expectativas postas sobre ele desde o draft de 2012? E por último e não mais importante, poderá Cam Talbot ser o goleiro que a franquia espera?

… E QUEM PODE ENCERRAR O JEJUM.

Montreal Canadiens: Carey Price é o coração, pulmão e alma do Montreal Canadiens que também conta com um dos melhores defensemans da liga em PK Subban e um dos melhores snipers em Max Pacioretty. Apesar das 50 vitórias e titulo da divisão, em muitos jogos a equipe foi ineficiente em criar/finalizar chances de gol e consequentemente aumentando o peso nos ombros de Price. Com isso, jovens jogadores como Jacob De La Rose, Nikita Scherbak e Christian Thomas além do experiente e recem-contratado Alexander Semin terão o trabalho de criar mais ofensividade a equipe. Caso consiga, Montreal tem qualidade e tradição suficiente para ir longe à disputa pela Stanley.

Gol de Josh Jooris contra o futuro MVP Carey Price na vitória do Flames em Montreal sobre o Canadiens por 6-2 na última temporada. Caso tudo corra bem, ambos podem se encontrar no maior momento do esporte.

Calgary Flames: Muito apoiado no desempenho do trio Johnny Gaudreau-Sean Monahan-Jiri Hudler, os heroísmos de seu corpo defensivo além de atuações boas de seus goleiros e viradas quase impossíveis, Calgary foi a grande surpresa da temporada passada com 45 vitórias o levando a sua 1° aparição nos playoffs desde 2009 e sua primeira vitória em uma série de playoff desde 2004. As adições de Dougie Hamilton e Michael Frolik na offseason colocaram a equipe muitos passos a frente do que era no começo da temporada passada; a chegada de Hamilton formou para alguns especialistas uma das melhores defesas do oeste junto com TJ Brodie, Dennis Wideman e o capitão Mark Giordano,mas como em todos os outros irmãos canadenses nem tudo é rosas para o Flames. A equipe terá diversos contratos para renovar (ou não) incluindo jogadores importantes como Sean Monahan e Johnny Gaudreau; vai precisar melhorar e muito seu desempenho defensivo de forma que não permita a seu adversário tantas chances de gol (coisa que aconteceu muito em 14-15) e consequentemente que seus goleiros não precisem trabalhar tanto. Falando em goleiros, quem será o titular? Karri Ramo e Jonas Hiller se digladiaram por este posto a temporada inteira incluindo os playoffs e neste ano além da dupla, o jovem Joni Ortio também entra na disputa por um lugar ao sol e até por isso é bem possível que um deles não esteja em Calgary no dia 08/10 para a abertura da temporada contra o Canucks. Além dessas questões, a principal pergunta que se faz é se Mark Giordano (de contrato novo, 40M/6yrs) vai conseguir conciliar o seu alto nível de jogo e se manter saudável já que se o tivesse feito nas duas últimas temporadas, provavelmente teria levado o Norris Trophy.

Aconteça o que acontecer nos próximos nove meses, os times canadenses e principalmente seus torcedores esperam a volta da Stanley Cup mais rápido possivel até porque se alguns dos melhores jogadores do mundo são canadenses, o melhor time da terra também deve ser.

We want the cup!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s